Barrio Italia, Chile.

Barrio Italia Chile.
Avenida Itália é, mais do que lojas e pequenos cafés nos quais podemos nos abstrair da agitação da capital, uma boa oportunidade para conhecer a nova identidade da cozinha chilena, as fusões e as influências que fortalecem novas propostas e novos conceitos.

Barrio Italia Chile.Por isso, como prometi, trago a segunda parte desse circuito urbano, que tenho certeza que será somente o começo de uma enorme quantidade de lojas e lugares que se transformarão nos seus favoritos, durante su estadia no Chile.

Como seu nome diz, Bairro Itália não tem deixado que seu nome fique em uma simples anedota e tem dado força e ênfase à oferta de comida italiana, através de alguns bons restaurantes que, sem dúvidas valem a pena destacar. Um deles, “Capperi”, tem se tornado em visita obrigatória de todo italiano que vive no Chile, tanto pelo caráter genuino das preparações quanto pela enorme logística de trazer grande parte dos vinhos e materia prima desde o país europeu.

Capperi, barrio Italia, Chile.

CapperiÉ assim como não devemos nos surpreender se ao abrir o cardápio nos encontrarmos com um vinho Chianti clássico diretamente trazido de Florencia, ou um Colline Pisane, diretamente trazido de Pisa. O preço por pessoa varia entre $7.000 a $15.000 pesos, dependendo da quantidade de vinho e sobremesa que queremos comer.

Capperi, Barrio Italia, Chile.

Outro de nossos favoritos é o “Da Noi”, um restaurante que dá a impressão de haver começado como uma pequena fábrica de massas que a Nona, incentivada pelos seus netos, se animou em inaugurar, passando de pequena cozinha a uma fábrica familiar. Dai em diante, um par de mesas bastaram para que os jantares se multiplicassem e foi necessário adquirir mais mesas, mais cadeiras, mais toalhas xadrez e muita imaginação para que todos que quisessem se sentir na Toscana, tivessem um lugar. Um dos nossos pratos favoritos são o Gnocchi e Massa al Pesto, ambos caseiros e super frescos. O preço aproximado por pessoa é de $12.000 pesos. No dia 29 de cada mês é dia de Gnocchi e têm 20% de desconto em todos os tipos de massa, tanto para levar, como para comer no local. Além disso, se chega de bicicleta, nossos queridos italianos eco friendly te darão 10% de desconto no valor total da sua conta.

Vendedor de pan amasado, barrio italia, Chile.A informação a seguir é um risco, eu não posso assegurar por experiência, que sua qualidade corresponda aos padrões que me contaram, porque a única vez que tentei ir, o horário informado no site estava errado e ainda por cima não abriram. Empório Caramaño, localizado um pouco mais longe do circuito que formam Condell, Avenida Itália e Girardi, entre outras, promete comida chilena como as que faziam as avós, mas com alguns toques extras de criatividade. Além disso, por ser um empório, o local te permitirá adquirir uma grande quantidade de produtos utilizados na elaboração dos pratos e, quem sabe, chegar em casa com toda inspiração para reproduzi-lo. Tenho recebido bons comentários de pessoas próximas que o recomendam e que têm voltado muitas vezes somente para comer o pastel de choclo (prato típico chileno feito de milho) vegetariano ($5.190) ou o Mote con Huesillo ($1.890). Como podem ver, a maioria dos seus preços são bastante acessíveis, o que nos permite comprar vários pratos, para depois dividir. Aquele dia frustrante, um garçom me comentou que o restaurante faz uma pausa entre às 16:00 e 20:00 horas, para troca de turno.

Silvestre Bistró, Chile.

E agora, o que na minha opinião é a cereja do bolo, ou por que não dizer nosso restaurante favorito, desses onde te cumprimentam com um aperto de mãos, no qual sempre tem uma mesa reservada pra você (a mais fresca e com sombra no verão, ou a que está mais pertinho do aquecedor no inverno) e no que quando seu prato demora além da conta, o dono não pensa duas vezes em se aproximar e dizer que, dessa vez, é por conta da casa. Apresentamos “Silvestre”, um lugar que muitos qualificaram como o melhor segredo guardado da Avenida Itália. Qual é o sangue desse segredo, sua essência? A cozinha de mercado, quer dizer, um adeus com panos brancos e esses enormes menus que, muitas vezes, nos obrigam a comer pratos preparados com vários dias de antecedência, ou com produtos completamente fora de temporada e que por isso, a maioria das vezes não possuem sabores, nem cheiros, nem texturas no topo do seu esplendor.

Silvestre Bistró, Chile.

O que os nossos amigos do Silvestre, Patricio e Nelson fazem, é arqueologia e artesanato culinário. Todos os dias frequentam hortas onde, com suas próprias mãos, arrancam rabanetes e cenouras ainda batendo das profundezas da terra. Com a harmonia desse cantinho ainda vivo e essencial, lavam, picam, embebedam em abundantes panelas de água quente, imergem, maceram, esperam horas e horas enquanto cortam ramos frescos que logo se espalham pelos elementos e sua nova pele, por milhos que sorriem com todos os seus dentes, ou com flores que a natureza reservou para podermos comer a mordidas a primavera. Desde o primeiro dia em que conhecemos o “Silvestre”, aplaudimos essa intensidade que somente poderia vir da honestidade dos alimentos e sua conservação cotidiana, com mãos consagradas a eles, ou da lembrança dos fogões de mães e avós, que tecem e destecem as meias de inverno, enquanto terminam de cozinhar o feijão, a lentilha. Existiram crianças que nesse vapor desenharam sua infância, e outros, que anotaram em sua memória, receitas que, logo em suas cozinhas, tiveram a sorte de se transformar em patrimônio.

Silvestre Bistró, Barrio Italia.

E como não poderia ser diferente, seu preço é extremamente democrático. O menu muda todos os dias, com diferentes pratos que, de acordo com seus ingredientes, podem variar seu valor, quase sempre entre $ 4.990 e $ 5.990 pesos. Aos domingos oferecem um Brunch que é motivo para celebrar o descanso do final de semana. O endereço é Caupolicán, 511 e sempre poderão encontrar qualquer um dos donos trabalhando ativamente na sua pequena cozinha com vista para o público.

 

1 Comentário

Deixe o seu comentário: