Saiba o motivo pelo qual você não deve pegar um taxi em Santiago do Chile.

Não passa sequer um dia que eu veja um táxi e que eu não me lembre da experiência que vou contar pra vocês. Comecei a habitar uma impotência tão grande, que decidi compartilhar com a finalidade de acabar com as práticas abusivas contra os turistas, essa espécie de extorsão é o que finalmente nos motivou a levantar como bandeira única a ideia de um turismo independente e honesto, e criar a Indo Pro Chile.
Estava, fazem algumas semanas, no centro comercial Costanera Center e a hora (eram quase nove da noite), me motivou a romper o hábito de caminhar até em casa e pegar um táxi. Saí e logo depois de inspecionar sobre os preços, subi ao táxi de um deles, que amavelmente me abriu a porta. Presságio de uma boa viagem, pensei. Mas estava errada. Não estava nem um minuto sentada, quando o motorista, ao ver um grupo de turistas aparentemente brasileiros (muitos gorros e camisetas do Chile às vezes os entregam), me disse: “Ahaha, brasileiros!… Hoje depenei vários… Cobrei 50 mil pesos por uma corrida até o aeroporto. Depois fiz câmbio duas vezes, assim que acabei cobrando 70 mil”. Fiquei perplexa e não consegui dizer nada. Pensava que evidentemente havia subido no táxi errado e que demonstrar medo ou nojo não era uma boa ideia. Continuo dizendo que se não tivesse o taxímetro ajeitado não poderia sobreviver, que os ganhos eram baixos. Perguntei como se “ajeita” o taxímetro e ele me mostrou movendo os pés rapidamente na região dos pedais. O taxímetro subiu de dois mil pesos para nove mil em questão de segundos. “Imagino que não vai me cobrar isso”, respondi. “Nãooo, eu sei com que posso fazer”, me respondeu o sem vergonha. Pensei em descer do táxi nesse momento, mas já havia falado para onde iria e não quis transparecer medo.


No entanto, até mesmo para evitar que ele tivesse conhecimento do meu endereço exato, desci várias quadras antes. Entreguei uma nota de cinco mil pesos, para pagar uma corrida de três mil pesos. Me preocupei em falar o valor na hora de entregar a nota, para que ele não trocasse e me fizesse acreditar que havia entregado uma nota de menor valor. Recebeu a nota, olhou e me disse: “ sinto muito, mas nação tenho troco…vamos ter que deixar em cinco mil”. O fulano se preparou para me estafar de qualquer maneira. Desci batendo forte a porta e falando um palavrão, Anotei a placa e, apesar de ter feito a denúncia no órgão competente, a reclamação não foi à diante. Mesmo assim, acredito que essa experiência deve servir para alguma coisa, nem que seja para reforçar o que sempre dizemos: ser um viajante responsável  com o auto-cuidado implica em estar informado. Isso é sinônimo de estar alerta, atentos às condições que nossa viagem oferece. Antes de pegar um táxi, é primordial se informar das tarifas aproximadas do lugar de onde se encontram e seu destino e, para isso, sempre o pessoal do hotel, ou amigos que te recebem, estão dispostos a ajudar. É importante também conhecer a moeda local e juntamente com entregar a nota, falar seu valor, para evitar terminar pagando quase cinco vezes mais do que o valor de uma corrida, como aconteceu com os brasileiros estafados pelo taxista inescrupuloso, protagonista desta história.

13 Comentários

    • Oi Erika, tudo bem?

      Sim! A transvip e transfer delfos trabalham até tarde no aeroporto. Você pode agendar tbm com eles pelo site diretamente.

      Um abraço.

  1. boa tarde.
    Meu marido e eu estaremos em Santiago entre os dias 8 e 15 de dezembro deste ano.
    Gostaria de suas sugestões para passeios.
    agendei uma visita à vinícola VIK. O que vc acha? que transporte contratar para chegar lá? quais agências de turismo são confiáveis? você conhece alguém que poderíamos contratar para fazer todos os passeios?
    Aguardo retorno.

    • Olá Maria Cristina, tudo bem?

      Aqui mesmo no blog temos um post que conta sobre como escolher uma agência de turismo em Santiago.

      Um grande abraço.

  2. […] em outros países, pegar táxi é sinônimo de roubo e estafa. Pode conhecer minha experiência aqui. É importante ressaltar que, em 10 anos que vivo em Santiago, nunca fui furtada, nem roubada na […]

  3. Olá Luna! Sou brasileira mas, atualmente, trabalho e moro no Peru.
    Eu e meu esposo iremos à Santiago na primeira quinzena de agosto, e esse seu post foi fundamental!!
    Estamos acostumados a andar de taxi em Lima pois é uma opção rápida e barata. Aqui não existe taxímetro, vc negocia o valor da corrida antes de entrar no táxi. Acostumados com isso, pegariamos táxis aí e, graças ao seu post, não mais. Prefiro andar a pé a subir num desses táxis! Uber coração, haha!
    Gostaria de saber se é perigoso caminhar em Santiago à noite. Estaremos na Av. Santa Rosa, próximos ao bairro Lastarria e eu gostaria de fazer esse trajeto caminhando. Vc recomenda?
    Parabéns pelo blog. Tá sensacional!

    Abraços!

    • OI Janayna, infelizmente, esse sector de noite é super super perigoso. De fato, sempre que passo de carro por ali de noite da para ver o comercio de drogas e prostitutas. Efetivamente, não é tão longe do bairro Bellas Artes, mas são dois lugares completamente diferentes. Eu não recomendo. Infelizmente muitas pessoas fazem propaganda dos seus apartamentos e hotéis dizendo que estão perto de lugares históricos, e isto pode ser certo, mas não garante a segurança do lugar. Espero ter ajudado!

      Um abraço!

      Luna

  4. Infelizmente, meu marido e eu passamos por alguns desconfortos no Chile! Um deles, e talvez o qual nos constrangeu mais, foi sermos roubados por taxista!
    Num trajeto, pelo qual pagamos menos de dois mil pesos com o Uber, no retorno, com o táxi, saiu 20 mil pesos e pouco!!!!
    Meu marido ficou revoltado e começou a chamá-lo de ladrão e mesmo assim pagamos os vinte mil. E enquanto o meu marido reclamava, o “filho da mãe” subiu com uma das notas de dez mil e disse que estava rasgada… que ele não aceitaria…. meu marido ainda questionou se ele não havia trocado a nota por outra. Com toda a nossa honestidade, trocamos a nota. E após isso, mais calmos, revendo toda a situação, percebemos que aquela nota era falsa!!! Que sensação horrível! A minha vontade era retornar de onde o pegamos (shopping costanera) e numa corrida pagá-lo apenas com a nota falsa de 10 mil. O pior de tudo é que fomos avisados todas as vezes que realizamos câmbios, porém, eles são tão bem articulados que você acaba caindo no golpe!!!!
    Queridos, se não querem passar por tal constrangimento, não utilizem táxi aqui! Estou indo embora sem a menor vontade de retornar ao Chile! Existe neve em outros Lugares, com taxistas mais honestos e maior fiscalização!
    Não utilizem táxi!!!!! Uber uber uber uber uber!

    • Olá Ethel, que tristeza o seu relato.

      Infelizmente isto é algo comum em Santiago. É por isto que os moradores da cidade deixaram de tomar taxis, potenciando assim os aplicativos como Uber ou Cabify.
      Nós também não recomendamos taxis em Santiago. Infelizmente, alguns são ladrões ao volante.

      Um abraço.

  5. Peguei um em frente ao Pátio Belavista e o motorista durante o trajeto deveria acionar algum mecanismo q fazia o taxímetro disparar . O trajeto deu quase 4vezes o valor q paguei Qdo fui ao descer . O taxímetro mudava direto o preço até parado no sinal . Qdo chegamos em frente ao hotel descemos e demos a volta p falar com o motorista . Pedimos q aguardasse pois iríamos esclarecer o fato da corrida ser quase 5vezes o valo pago na ida no mesmo trajeto . O motorista ligou o carro e saiu na disparada . Sumiu pela rua abaixo . Disse o porteiro do hotel q ele deve ter pensado q chamaríamos a polícia por isso fugiu.

    • OLá Luciane, que pena o ocorrido. Mas é um fato bastante normal. Em Santiago os taxistas quase nunca são fiscalizados e a grande maioria possuem os taxímetros adulterados. O chamado que fazemos é não tomar taxi em Santiago, preferir metrô, cabify, uber e serviços de transportes contratados.

Deixe o seu comentário: